Últimas notícias:

Portuguese English Spain


Rua Antônio da Conceição Saraiva, nº19
Centro – Rio Doce – MG - CEP: 35.442-000
(31) 3883-5235 / 3883-5242 / 3883-5438
  • Ouvidoria
  • Newsletter
Se as informações contidas nesse Portal não foram suficientes para você tire suas dúvidas aqui
Email:
Nome:
Msg:
Em que ano estamos?

Login

Campanhas Nacionais de Vacinação - 2014 PDF Imprimir E-mail
Escrito por Prefeitura Municipal de Rio Doce   
Qua, 12 de Fevereiro de 2014 14:34

Assunto

Data

Objetivo

Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza

14/04 a 30/04

Dia de mobilização nacional (Dia D) -

26/04

A Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações – CGPNI, integrada e articulada às Secretarias Estaduais e Municipais da Saúde, realizarão no período de 14 a 30 de abril, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza em 2014, sendo 26 de abril, o dia de divulgação e mobilização nacional.

Nesta campanha, além dos idosos com 60 anos e mais de idade, são grupos prioritários para a vacinação: os trabalhadores de saúde, os povos indígenas, as crianças na faixa etária de seis meses a menores de dois anos de idade, as gestantes, as puérperas, os portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições que possam favorecer o surgimento de casos graves da doença, a população privada de liberdade e agentes que atuam no sistema penitenciário. O público alvo, portanto, representará aproximadamente 40 milhões de pessoas. A meta é vacinar, pelo menos, 80% dos grupos elegíveis para a vacinação.

As infecções respiratórias agudas constituem um conjunto de doenças frequentes e têm maior incidência em pessoas que fazem parte do grupo prioritário para a vacinação, sendo o vírus da influenza um dos principais agentes etiológicos destas doenças que pode causar hospitalização e morte, especialmente em grupos de alto risco para complicações da infecção.

Uma das principais intervenções preventiva em saúde pública para este agravo é, sem dúvida, a vacinação. A campanha anual de vacinação contribuiu ao longo dos anos para a prevenção da gripe nos grupos imunizados, além de apresentar impacto de redução das internações hospitalares, mortalidade evitável e gastos com medicamentos para tratamento de infecções secundárias.

Campanha Nacional de Multivacinação (Atualização de caderneta de vacinação) e Campanha Nacional de Vacinação contra Poliomielite

09/08 a 23/08

Dia de mobilização nacional (Dia D) - 09/08

 

A Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações – CGPNI, integrada e articulada às Secretarias Estaduais e Municipais da Saúde, e atendendo solicitações dos Coordenadores Estaduais de imunizações, em consideração a copa do mundo de 2014,  realizarão no período de 09 a 23 de agosto, a Campanha de Multivacinação (Atualização de caderneta de vacinação) e Campanha Nacional de Vacinação contra Poliomielite, sendo 09 de agosto, o dia de divulgação e mobilização nacional.  A estratégia terá chamada e período único para a realização das duas campanhas.

Entre os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde, a Campanha Nacional de Multivacinação encontra-se entre uma das ações prioritárias desta instituição para o ano de 2014. Grande esforço tem sido demonstrado ao longo dos anos para o controle, eliminação e erradicação das doenças imunopreveníveis. O envolvimento das três esferas de gestão nas ações de imunizações tem confirmado estes resultados exitosos no país, como no caso da varíola e da febre amarela urbana.   Esta estratégia visa diminuir o risco de transmissão de enfermidades imunopreveníveis, assim como reduzir as taxas de abandono do esquema vacinal.

As crianças menores de cinco anos de idade devem ser levadas a um posto de vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS) para que a caderneta de saúde seja avaliada e o esquema vacinal atualizado, de acordo com a situação vacinal encontrada.

Este é o 35º ano de Campanhas Nacionais de Vacinação contra a Poliomielite, 25º ano livre da doença no país, sem a circulação do poliovírus selvagem desde 1989, o último caso desta doença foi registrado no município de Souza, na Paraíba, e assim deve ser conservado até a certificação mundial da erradicação deste agente infeccioso. Os Dias Nacionais de Vacinação contra a Poliomielite no Brasil tiveram início no ano de 1980, o que garantiu manter o país livre da Poliomielite.

Em 1994 o Brasil recebeu o certificado internacional de erradicação da transmissão autóctone do poliovírus selvagem. A partir de então, o país assumiu o compromisso de manter altas coberturas vacinais, ou seja, maior ou igual a 90%. Em 2001 esta meta foi alterada para 95% da população alvo (crianças < 5 anos de idade).

Embora, a erradicação global esteja avançando, para os países continuarem livres da poliomielite, além da adequada Vigilância das Paralisias Flácidas Agudas (PFA), é imprescindível a obtenção de altas e homogêneas coberturas vacinais contra a poliomielite, tanto nas ações de rotina como nas campanhas de vacinação.

A população alvo na campanha contra a poliomielite são as crianças de 6 meses de idade a menores de cinco anos composta por um total de 12.904.514, cuja meta mínima é atingir 95% de cobertura vacinal o que corresponde a 12.259.314 crianças com a vacina oral contra a poliomielite independente de já ter sido vacinada anteriormente.

Introdução da vacina contra o Papilomavírus Humano (HPV) no Calendário Nacional de Vacinação

Período: 8/03 a 08/04 (Mês de vacinação nas escolas).

Unidades Básicas de Saúde - 02 a 13/09

Dia de mobilização nacional (Dia D) - 08/03

 

 

O Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Imunização (PNI), amplia o Calendário Nacional de Vacinação com a introdução da vacina contra HPV (Quadrivalente, que protege contra HPV dos tipos 6, 11, 16 e 18) no Sistema Único de Saúde (SUS) para prevenção do câncer do colo do útero. Nesse sentido, o PNI adotará estratégias diferenciadas, visando à inclusão da nova vacina e garantia do acesso das adolescentes (grupo alvo) à vacinação, administrando a vacina em escolas e unidades de saúde.

A vacinação contra o Papilomavirus Humano (HPV) se iniciará no dia 8 de março. Deverá ser desenvolvida, então, uma ação de mobilização e sensibilização de adolescentes, pais, responsáveis, profissionais da área de educação e da saúde para a importância da vacinação e do controle do câncer do colo do útero. O dia de divulgação e mobilização nacional para a vacinação será 8 de março, quando se comemora o Dia Internacional da Mulher.

Serão vacinadas as adolescentes de 11 a 13 anos de idade, totalizando 5,2 milhões de jovens. O Ministério da Saúde adotará o esquema vacinal estendido, composto por três doses (0, 6 e 60 meses), sendo a primeira dose administrada nas escolas públicas e privadas no período de 8 de março a 8 de abril, quando as adolescentes serão orientadas a receberem a segunda dose em uma das Unidades Básicas de Saúde disponível. A segunda dose será administrada no período de 2 a 13 de setembro nas UBS. Serão adotadas ações diferenciadas no período de 15 a 30 de setembro a fim de alcançar aquelas adolescentes que, porventura, não tenham comparecido à UBS para receberem a segunda dose da vacina. A terceira dose, que deverá ser administrada em uma UBS, será agendada para 60 meses após a primeira, e a vacina estará disponível em todas as salas de vacinas na rotina de vacinação.

O câncer do colo do útero é um importante problema de saúde pública no país representando, atualmente, a segunda principal causa de morte por neoplasias entre mulheres. Considerando que a infecção pelo HPV é condição necessária para o câncer do colo do útero, a vacinação, conjuntamente com as atuais ações para o diagnóstico precoce do câncer do colo do útero e as ações educativas, possibilitará prevenir esta doença nas próximas décadas.

 

Campanha nacional de vacinação antirrábica animal (cães e gatos)

Período: agosto/setembro/outubro de 2014

Dia de mobilização nacional (Dia D) – 20/09/2014

 

O Ministério da Saúde, por meio da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações – CGPNI e Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis - DEVIT, da Secretaria de Vigilância em Saúde – SVS, articulados com as Secretarias Estaduais e Municipais da Saúde, os Distritos Sanitários realizarão nos meses de agosto/setembro/outubro de 2014, a Campanha nacional de vacinação antirrábica animal (cães e gatos). Cada UF poderá definir a melhor data para a realização da campanha de vacinação no estado. O planejamento dependerá da capacidade de logística e mobilização operacional.

A campanha de vacinação tem como objetivo vacinar 100% da população canina estimada, como também, imunizar o maior número de gatos domiciliados. A vacinação é importante para interromper a cadeia de transmissão do vírus em animais suscetíveis. Anualmente, é realizada em 24 UFs, exceção para os estados da região Sul (RS, SC, PR) que se encontram em áreas controladas para atransmissão da raiva canina pelas variante virais 1 e 2.  Os Municípios do estado do Paraná, 11(onze) municípios, realizam a campanha de vacinação antirrábica por serem considerados como áreas de risco na fronteira com Paraguai.

A meta estimada para a população canina é de aproximadamente 26.500.000 cães e para a população de gatos, vale ressaltar que não existe base de cálculo para meta.

A raiva é uma zoonose transmitida ao homem pela inoculação do vírus rábico contido na saliva do animal infectado, principalmente através da mordedura. Apesar de ser conhecida desde a antiguidade, continua sendo um grave problema de saúde pública. É uma zoonose viral, que se caracteriza como uma encefalite progressiva aguda e letal. Todos os mamíferos são suscetíveis ao vírus da raiva e, portanto, podem transmiti-la. A doença apresenta dois principais ciclos de transmissão: urbano (cão e gato) e silvestre, sendo o urbano passível de eliminação, por se dispor de medidas eficientes de prevenção, tanto em relação ao ser humano, quanto à fonte de infecção.

O Brasil tem o compromisso, junto a OPAS/OMS e com os países das Américas, de eliminar a raiva humana transmitida por cães até 2015. Esta meta faz parte da agenda estratégica do Ministério da Saúde, para o período 2011 – 2015.

Importante destacar que as ações educativas devem ser divulgadas nos meios de comunicação, freqüentemente, com a finalidade de esclarecer a população quanto ao risco da transmissão da doença. Todos os animais (cães e gatos) devem ser vacinados contra a raiva, todos os anos.

 

 

 

r